ClassPass vira unicórnio com aporte de US$ 285 mi

ClassPass vira unicórnio com aporte de US$ 285 mi

Grande rival da GymPass, a plataforma de atividades físicas ClassPass, se tornou o mais novo unicórnio do pedaço. Fundada em 2013, a empresa vale atualmente mais de US$ 1 bilhão. Ela chegou a este status graças ao recente aporte no valor de US$ 285 milhões, anunciado no dia 8 de janeiro.

ClassPass – novo unicórnio

A rodada de investimentos de série E, liderada pelos fundos Catterton e Apax Digital, possibilitou o novo status de unicórnio à ClassPass. Além deste capital, também participaram os fundos de investimentos dos dois sócios-gerentes da empresa de atividades físicas para compor o conselho administrativo: Marc Magliacano, do L Catterton, e Daniel O’Seefe, da Apax.

Em nota, a fundadora e presidente do conselho da ClassPass, Payal Kadakia, afirmou:

“Esse investimento é um marco significativo que reforçará nossa missão de ajudar as pessoas a permanecerem ativas e gastarem seu tempo de maneira significativa.”

Com os recursos captados, a empresa norte-americana pretende seguir sua ampliação no mercado internacional, especialmente na Europa e na América Latina. Hoje, a ClassPass possui unidades em 28 países, e conta com uma base de mais de 1.000 clientes corporativos e uma equipe de 650 colaboradores, 20 deles estão localizados no Brasil. Entre as principais empresas globais atendidas pela companhia, estão: Facebook, Google e Southwest Airlines.

ClassPass – operação brasileira

No Brasil, a atuação da ClassPass foi iniciada em dezembro do ano passado, nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. De acordo com o gerente da operação brasileira, Rodolfo Ohl, a empresa está animada com o potencial que o país pode trazer aos negócios:

“São Paulo foi a cidade do mundo em que a ClassPass conquistou mais parceiros em menor tempo.”

Ele ressalta que no primeiro mês de operação por aqui, foi bastante animador, o que fez a presidência da companhia querer apostar suas fichas no Brasil como local estratégico de crescimento na América latina. A ClassPass também pretende expandir sua atuação em outros países latinos, como Argentina, Chile, México e Peru.

Além disso, o aporte fará com que a startup consiga consolidar seu plano de que o Brasil seja, até o fim de 2020, seu terceiro maior mercado global, atrás apenas dos EUA e Reino Unido. Para isso, ela pretende ampliar suas parcerias nas cidades em que já opera e entrar o mais rápido possível em outras capitais brasileiras.

Plataforma – como funciona

A plataforma da ClassPass proporciona planos individuais mensais, que variam de R$ 35 a R$ 499 por mês. Os pacotes atingem um determinado número de créditos no sistema, que podem ser trocados em diferentes academias e estúdios, além de serviços, como acupuntura, hidroterapia, massagens, tratamento de spa e até de manicure.

Já para os parceiros comerciais, o aplicativo serve para fazer a ponte entre eles com os clientes, numa espécie regular o fluxo de alunos. Em tempos de baixa demanda da academia ou estúdio, o número de créditos cobrado dos clientes caiu. Nos horários de pico, o valor cresce.

Até o momento, a ClassPass comercializa no Brasil somente pacotes para consumidores individuais, e as vendas do serviço para companhias que querem oferecer o benefício aos funcionários ainda não está liberado no país. No entanto, já faz parte dos planos da plataforma. Quando passar a funcionar este serviço também, a startup norte-americana irá competir pelo mercado corporativo com a Gympass, empresa brasileira que se tornou unicórnio em junho de 2019.

Enquanto isso não acontece, Rodolfo afirma que o principal concorrente da ClassPass é a inatividade:

“O Brasil é o país do mundo com o segundo maior número de academias, mas a taxa de penetração entre a população é baixa. Nosso desafio é fazer as pessoas criarem hábitos saudáveis.”

Fonte: Revista Exame

*Foto: Divulgação

Siga e curta! 🙂
error
Fechar Menu